terça-feira, 26 de abril de 2011

NÃO a homofobia

Boa tarde amores,
 Tudo bem com vocês?
 Eu estou ótima!
 Quando estou trabalhando muito o tempo passa e nem vejo, adoro isto.
 Gostaram da foto que postei hoje?
  Eu adorei esta foto!
 Minha carreira de fotógrafa esta indo de vento em poupa graças a Deus.
 Esta é uma das fotos do ensaio feito por mim ontem, terminei a edição agora e não resisti compartilhar aqui.
 Desde que iniciei na área da fotográfia, tenho conhecido muitas pessoas maravilhosas, o que tem me ajudado a amadurecer 10 anos por mês.
 Sempre convivi com bonecas ( nome carinhoso dado a travestis), e grande parte delas ainda reclamam da intolerância e preconceito das pessoas nas ruas.
  Você já viu um travesti na sala de espera de algum consultório odontológico por exemplo?
  E no supermercado durante o dia?
 Fazendo caminhada? Academia?
 Passeando com o cachorro?
  Tenho certeza que sua resposta foi não a todas as perguntas.
 São cenas bastante raras.
 Mas por que isto acontece?
A exclusão da travesti já começa na família, justamente por não se adequarem às regras sociais impostas. O próximo desafio encontrado é a escola, onde são rechaçadas tanto pelos colegas quanto pelos professores e demais funcionários.

Saem de casa ou são expulsas. Encontram nas travestis mais velhas a referência para construir seu próprio modo de ser. Devido à dificuldade de encontrar emprego por causa do preconceito, aliado à baixa escolaridade, muitas acabam se prostituindo para sobreviver.
É preciso haver políticas públicas que as amparem, começando pela família e escola. Depois necessitarão de políticas de saúde que as auxiliem em seus processos de transformação corporal para que não tenham que se arriscar clandestinamente com silicone industrial e ingestão hormonal desregrada. Em seguida está outro grande desafio: sua profissão e meio de sobrevivência. É preciso haver ocupações onde não precisem se arriscar. E se assim for, que seja por escolha e não por ser a única forma de sobrevivência.
 As pessoas precisam parar de julgar, apontar e maltratar.
  Experimente conhecer melhor, alguém que vc julga diferente de você, e você vai perceber que estas pessoas não são tão diferentes assim.
 Todos temos os mesmos sonhos, desejos, idéias, pensamentos e sentimentos e no fundo no fundo, todos seres humanos desejam a mesma coisa:
 " Ser feliz!!"
 Digam não ao preconceito!!
Beijinhos
Márcia Idelfonso

Nenhum comentário: